Publicidades

20/05/2020 | 11:05 | Política

Regina Duarte deixa a Secretaria Especial da Cultura

Anúncio foi feito pelas redes sociais do presidente Jair Bolsonaro

Reprodução/Internet


A atriz Regina Duarte deixou o comando da Secretaria Especial da Cultura. O anúncio foi feito na manhã desta terça-feira (20).


Em um vídeo postado nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro disse que Regina relatou sentir falta da família e o desejo de voltar para São Paulo. A atriz deve tomar posse, nos próximos dias, da Cinemateca de São Paulo.


Os rumores sobre a relação estremecida começaram no final de abril, quando uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo relatou que o presidente deu aval a aliados para que dessem início a um processo de fritura de Regina. De acordo com a publicação, o objetivo seria fazer com que a atriz pedisse demissão do cargo. 


Regina estaria sendo vítima de fogo amigo de integrantes da pasta que permaneceram da gestão passada, como o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, que costuma publicar críticas à atriz. O processo de fritura foi negado por Regina e Bolsonaro no vídeo que anunciou sua saída da pasta.


Na noite do dia 28 de abril, Bolsonaro criticou o distanciamento de Regina, em entrevista na portaria do Palácio do Alvorada, afirmando que a secretária tem dificuldade na condução da pasta:


— Infelizmente a Regina está trabalhando pela internet e eu quero que ela esteja mais próxima. Uma excelente pessoa, um bom quadro, é também uma secretaria que era ministério, muita gente de esquerda, pregando ideologia de gênero, essas coisas todas que a sociedade, a massa da população não admite, e ela tem dificuldade nesse sentido — disse.


Entrevista polêmica


Regina, no entanto, virou alvo da classe artística após as declarações dadas em uma entrevista, quando a então secretária especial da Cultura minimizou a ditadura militar brasileira, a tortura praticada no período e as mortes de nomes como o do cantor e compositor Moraes Moreira, do escritor Rubem Fonseca, do compositor Aldir Blanc e do ator Flávio Migliaccio.


Desde que foi nomeada secretária da Cultura, ela não apresentou nenhuma ação contundente para o setor e tem sido criticada pela classe artística por não ter prestado nenhum auxílio à área, que agoniza em meio à paralisia das atividades decorrentes da pandemia do coronavírus. 

Fonte: Gaúcha ZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer