Publicidades

16/05/2020 | 07:00 | Política

Dar reajuste a servidor é usar cadáveres como palanque, diz Paulo Guedes

Para o ministro da Economia, deputados, prefeitos e governadores estão explorando a crise causada pelo coronavírus

Reprodução/Internet


O ministro Paulo Guedes (Economia) fez um apelo a prefeitos, governadores e, em especial, ao Congresso para que não haja reajuste dos salários do funcionalismo público. Ele disse que se valer do momento de crise para elevar custos é fazer palanque político em cima de cadáveres.


Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto nesta sexta-feira (15), realizada em comemoração aos 500 dias de governo, Guedes criticou o que ele chamou de exploração política da crise sanitária.


— Vamos subir em cadáveres para arrancar recursos do governo? Isso é inaceitável, a população não vai aceitar, a população vai punir quem usar cadáver para fazer palanque — afirmou o ministro da Economia.


Ao fazer a declaração, ele se referia ao projeto que permite reajustes ao funcionalismo público, aprovado pelo Poder Legislativo. A suspensão desse aumento por 18 meses foi a única contrapartida exigida pela equipe econômica no projeto de lei de ajuda financeira de R$ 125 bilhões a Estados e municípios diante da pandemia do coronavírus.


O Congresso, no entanto, retirou uma série de categorias da regra, como professores, profissionais de saúde, agentes funerários, de limpeza urbana e assistentes sociais. A exclusão teve o aval do próprio presidente Jair Bolsonaro, que relutava em desagradar funcionários públicos, parte de sua base de apoio. Na semana passada, o presidente afirmou que vai vetar o trecho da lei de socorro financeiro a Estados e municípios que libera reajustes salariais a servidores públicos até o fim de 2021.


Guedes disse que não se pode usar um momento de fragilidade para fazer política. Nos bastidores, o chefe da equipe econômica tem criticado o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), por ter apoiado o reajuste dos servidores.


— Eu estou pedindo uma contribuição do funcionalismo brasileiro, eu estou pedindo ao Congresso que não derrube o veto do presidente. Eu estou pedindo ao Congresso que faça o que eu acredito que nós somos. Uma grande sociedade aberta, uma democracia dinâmica, onde os poderes vão demarcando os territórios e atuando — afirmou.


O recado foi enviado ainda aos Estados e municípios, dizendo que o governo federal tem capacidade limitada de endividamento para socorrer as unidades da Federação:


— Esquece-se que nós também estamos perdendo as receitas. Podemos nos endividar? sim, mas há limites.


Guedes pediu ainda que não seja feita "exploração política" e disse que é importante para que as lideranças políticas busquem a popularidade.


— Só estamos pedindo uma contribuição, prefeitos, municípios, governadores e Câmara e Senado — disse.

Fonte: Gaúcha ZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer