Publicidades

15/05/2020 | 17:19 | Política

''A vida é feita de escolhas, e hoje eu escolhi sair'', diz Teich ao deixar Ministério da Saúde

Oncologista ficou pouco menos de um mês no comando da pasta

Nelson Teich deixou o cargo nesta sexta-feira - Wallace Martins / Futura Press/Folhapress


* Médico Nelson Teich substituiu o também médico Luiz Henrique Mandetta e ficou 28 dias no cargo


* Ministro era um defensor do distanciamento social e deu poucas declarações durante o mandato


* No dia 11, ele foi surpreendido por um decreto presidencial enquanto dava uma coletiva. Ele também divergiu do presidente a respeito do uso da cloroquina


O ex-ministro da Saúde Nelson Teich pediu demissão nesta sexta-feira (15), pouco menos de um mês depois de assumir. Em um pronunciamento que durou sete minutos, ele afirmou que deixou um plano pronto sobre o aumento no número de testes para coronavírus, mas não detalhou os motivos pelos quais deixou o cargo.


— A vida é feita de escolhas, e hoje eu escolhi sair.  Dei o melhor de mim nos dias em que estive aqui nesse período. Não é uma coisa simples estar à frente de um ministério como esse — afirmou.


O agora ex-ministro agradeceu a equipe de secretários e fez um aceno a representantes de Estados e municípios, com quem teve embates no cargo.


— A missão da saúde é tripartite, e isso é uma coisa importante de deixar claro. O Ministério da Saúde vê isso como verdadeiro e essencial. É um momento em que o país inteiro luta pela saúde — disse.


Teich completou a sua fala declarando que seu objetivo era ajudar o país.


— Eu não aceitei o convite pelo cargo, mas sim pelo Brasil e pela necessidade de ajudar as pessoas — afirmou ele na sua manifestação.


O ministro não respondeu as perguntas dos jornalistas, nem falou sobre as divergências com o presidente da República sobre o uso da cloroquina, ponto central da sua saída. Ele pediu demissão na manhã desta sexta, após ouvir um ultimato do presidente Bolsonaro quer a mudança no protocolo para que o medicamento seja ministrado também para os casos leves da Covid-19. 


Teich afirmou que o seu plano também traz orientações para governadores e prefeitos no combate à pandemia. Nesta semana, estava previsto que ele anunciasse recomendações e diretrizes para flexibilização do distanciamento social, o que não aconteceu por falta de acordo com os conselhos de secretários estaduais e municipais. 


No dia 11 de maio, Teich anunciou apenas uma "matriz de risco", reiterando que a decisão final cabe a Estados e municípios, uma vez que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que os entes federativos têm autonomia para isso.

Fonte: Gaúcha ZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer