Publicidades

12/05/2020 | 10:03 | Política

PF exibe nesta terça-feira vídeo de reunião ministerial citada por Moro

Exibição ocorre no âmbito da investigação que apura suposta interferência de Bolsonaro na Polícia Federal. Registros estão sob sigilo temporário para o público

Divulgação


A Polícia Federal (PF) exibirá, na manhã desta terça-feira (12), a gravação da reunião do Conselho de Ministros realizada no Palácio do Planalto em 22 de abril. O encontro é citado pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Sergio Moro no inquérito que investiga a suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro na PF.


A gravação foi entregue na última sexta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela Advocacia-Geral da União (AGU).


De acordo com Moro, ele teria sido ameaçado por Bolsonaro durante a reunião. O presidente teria dito que, se não pudesse trocar o superintendente da PF no Rio de Janeiro, trocaria o diretor-geral da corporação e o próprio ministro.


Moro já anunciou que estará presente para acompanhar a exibição da gravação. Além dele, o vídeo será visto ao mesmo tempo pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, o advogado-geral da União, José  Levi, e a advogada responsável pelo inquérito, Christiane Correa Machado, na sede da Polícia Federal, em Brasília.


Os registros estão sob sigilo temporário para o público. A decisão sobre a divulgação cabe ao ministro do STF Celso de Mello, que é o relator do inquérito na Corte.


Inquérito 


Também para esta terça-feira, estão previstas oitivas de três ministros militares citados por Moro em depoimento: Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Walter Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo).


Na segunda, a PF colheu os depoimentos de três pessoas: o delegado Ricardo Saadi, que chefiou a superintendência da corporação no RJ; o delegado Alexandre Ramagem, diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), cuja nomeação para chefiar a PF foi barrada pelo STF diante de indícios de desvio de finalidade; e o ex-diretor-geral da PF Maurício Valeixo, exonerado por Bolsonaro em abril.

Fonte: Gaúcha ZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer