Publicidades

28/11/2019 | 05:38 | Esporte

Inter joga mal, perde para o Goiás em casa e fica a perigo na briga pela Libertadores

Goianos fizeram 2 a 1 no Beira-Rio e diminuíram diferença para apenas dois pontos

Ex-colorado Rafael Moura marcou o primeiro gol da noite em Porto Alegre - Félix Zucco / Agencia RBS


Finais do Gauchão, finais da Copa do Brasil, quartas de final da Libertadores, e o jogo com caráter de decisão diante do Goiás, valendo vaga na pré-Libertadores, com chance de classificação direta à fase de grupos do torneio em 2020. O que essas partidas têm em comum para o Inter? Em nenhuma delas a equipe teve sucesso. Na noite desta quarta-feira (27), o agraciado da vez foi o Goiás, que bateu o Inter no Beira-Rio por 2 a 1, com um gol do ex-colorado Rafael Moura. Além de marcar passo na briga com São Paulo e Corinthians, o time de Zé Ricardo conseguiu colocar o Goiás como sério candidato ao oitavo lugar. Uma noite que resume o ano de insucessos e de derrotas coloradas.


Apesar de ter vencido o Inter no primeiro turno, o Goiás é um time com evidentes limitações. Logo nos primeiros minutos, a equipe de Ney Franco tratou de postar de seis a sete jogadores na entrada da sua área, e permitir os avanços colorados até a intermediária. Aos dois minutos, Rafael Vaz chutou em cima de Patrick, que pegou o rebote, invadiu a área, e bateu rente à trave. O jogo seguiu aberto, com lances de ataque de lado a lado. Aos seis minutos, D'Alessandro recebeu mais um cartão amarelo por reclamação. O terceiro, e não jogará contra o Botafogo, sábado à noite, no Rio.


Nova suspensão à parte, D'Alessandro por pouco não marcou. As chances de gol se seguiram, com Nico e Cuesta – que acertou o travessão. Mas, em uma partida sem prognóstico definido, e com os dois times brigando para chegar ao menos à pré-Libertadores, foi o Goiás quem saiu na frente. E com a mítica Lei do Ex se apresentando. Aos 15 minutos, Rafael Vaz bateu da intermediária e Marcelo Lomba falhou. O goleiro apenas amorteceu o chute, com as duas mãos, viu a bola subir, acertar o travessão, voltar, e o goleiro errou de novo, ao não conseguir agarrá-la. Michael tentou o gol, mas não alcançou a bola. O rebote caiu nos pés de Rafael Moura. O ex-centroavante do Inter então dominou e bateu para o gol vazio. O lance foi anulado, por impedimento. Mas, revisado pelo VAR, acabou sendo considerado gol legal.


O Inter, que tanto reclama do VAR, foi salvo minutos depois justamente pelos árbitros de vídeo. Leandro Barcia correu meio campo às costas de Uendel, invadiu a área, e passou para Michael marcar o 2 a 0. O VAR, porém, anulou o gol, por impedimento na jogada. Neste momento, as vaias já tomavam conta de boa parte do Beira-Rio.


O 1 a 0 desestabilizou o Inter. Depois do gol de Rafael Moura, a equipe passou a errar passes, a precipitar lances de ataque, e a demonstrar uma fragilidade emocional em campo. Nico, aos 40 minutos, bateu cruzado para a pequena área, onde Guerrero chegou atrasado. Em um último esforço antes do intervalo, o goleiro Tadeu fez três defesas importantes, em conclusões de D'Alessandro, de Guerrero e de Moledo. Apesar do esforço, vaias ao final do primeiro tempo.


O que um treinador faz quando escala mal o time e sai perdendo? Muda. Para melhor. No intervalo, Nonato entrou no lugar de Bruno Silva. Depois, aos 12 minutos, antes de Martín Sarrafiore entrar, Moledo quase marcou, de bicicleta. Com o time rejuvenescido, o Inter foi para cima do Goiás, já em desespero, e deixando rombos na defesa. O jogo voltou a ser de ataque contra ataque, e havia a iminência do 1 a 1, mas também do 2 a 0.


Quando o Inter acertava, Tadeu salvava. Sarrafiore deu um passe perfeito para Guerrero, mas o goleiro defendeu. Em seguida, após escanteio para o Inter, contra-ataque do Goiás, Michael dribla Heitor e Uendel como se fosse adulto contra crianças, e bate na saída de Lomba: 2 a 0.


Aos 32 minutos, um sopro de reação. D'Alessandro cobra escanteio e Guerrero marca de cabeça, em um lance acrobático. Com o 2 a 1, o Inter partiu para buscar o empate. Mas foi insuficiente para evitar a segunda derrota em casa no Brasileirão.


Faltam 17 dias para o técnico Eduardo Coudet deixar o Racing. O Inter precisa recomeçar. 

Fonte: Gaúcha ZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer