Publicidades

30/04/2019 | 20:21 | Saúde

Independência e Alegria estão em situação de risco de surto de dengue

Raul Santana/Fundação Oswaldo Cruz/Divulgação


Dos 309 municípios do Rio Grande do Sul que fizeram algum tipo de monitoramento do mosquito transmissor das doenças dengue, zika e chikungunya, 75 apresentaram situação de risco de surto. O número corresponde a 24,3% das cidades pesquisadas.


Os dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde, na manhã desta terça-feira (30), e fazem parte do primeiro Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) do ano, que compreende o período de janeiro de 2019 a 15 de abril de 2019.


"Ele está em nono lugar em situação de risco em comparação com outros estados. Apesar do número importante de municípios, dentro do cenário nacional o Rio Grande do Sul é um dos estados com menor incidência do país", destaca Rodrigo Said, coordenador-geral dos Programas Nacionais de Controle e Prevenção da Malária e das Doenças Transmitidas pelo Aedes.


O mesmo levantamento apontou 392 casos de dengue investigados no estado em 2019. Houve um aumento de 476% em relação ao mesmo período de 2018, quando foram registrados 68 casos.


Na última quarta-feira (24), a Secretaria Estadual de Saúde (SES) divulgou números mais recentes da dengue. São 433 casos no Rio Grande do Sul, sendo 217 confirmados e 216 investigados. Um novo levantamento deve ser publicado pela SES nos próximos dias.


De acordo com o relatório da SES, casos de dengue são notificados em todos os meses do ano, mas há um aumento entre os meses de novembro e maio.


Quanto à chikungunya, segundo o Ministério da Saúde, são 29 casos no estado em 2019 contra 21 no ano passado, um aumento de 38%. No boletim da Secretaria estadual, são cinco casos confirmados e 30 investigados em 2019.


Em relação ao zika vírus, a quantidade de casos notificados cresceu 700%. Passou de 3, em 2018, para 24 neste ano. A SES divulgou um caso confirmado e 26 investigados no estado.


Cidades gaúchas em risco


O LIRAa é um instrumento para o controle do vetor e das doenças (dengue, zika e chikungunya). Com base nas informações coletadas, o gestor pode identificar os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito e o tipo de criadouro predominante.


Confira a lista de municípios que fizeram o LIRAa no Rio Grande do Sul, classificados em situação de risco:


Ajuricaba


Alecrim


Alegria


Alto Alegre


Augusto Pestana


Boa Vista do Buricá


Bossoroca


Caiçara


Canoas


Carazinho


Cerro Largo


Chapada


Cruz Alta


Derrubadas


Dezesseis de Novembro


Espumoso


Estação


Estância Velha


Fortaleza dos Valos


Frederico Westphalen


Garruchos


Giruá


Guarani das Missões


Horizontina


Humaitá


Ibirubá


Independência


Itaqui


Jacutinga


Jaguari


Jóia


Marau


Mato Queimado


Não-Me-Toque


Nova Boa Vista


Novo Hamburgo


Novo Machado


Palmeira das Missões


Panambi


Passo Fundo


Planalto


Porto Lucena


Porto Vera Cruz


Quinze de Novembro


Ronda Alta


Saldanha Marinho


Salto do Jacuí


Salvador das Missões


Sananduva


Santa Maria


Santo Antônio das Missões


Santo Antônio do Planalto


Santo Augusto


Santo Cristo


São Borja


São João da Urtiga


São José das Missões


São Miguel das Missões


São Paulo das Missões


São Pedro do Sul


São Sepé


Sapiranga


Sede Nova


Tapejara


Tapera


Tio Hugo


Tiradentes do Sul


Três Passos


Tupanciretã


Tuparendi


Uruguaiana


Victor Graeff


Vila Maria


Vista Alegre


Vista Gaúcha

Fonte: Rádio Colonial

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer