Publicidades

13/01/2016 | 16:25 | Saúde

Hospital que atende 23 cidades do RS opera com apenas um médico

Ele se reveza para atender emergência, urgência e pacientes internados

Foto: Reprodução / RBS TV


O único hospital de Santo Ângelo, no Noroeste do Rio Grande do Sul, que recebe pacientes de 23 municípios, está operando com apenas um médico. Ele se reveza para atender emergência, urgência e pacientes internados. Durante à noite e nos finais de semana, este é o único lugar que as pessoas podem procurar atendimento na cidade.


O representante do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), Aroldo José Schmitt, denunciou a situação. "O hospital resumiu para um médico atendendo a emergência do hospital. Todo o atendimento inicial, pacientes que demandam de toda a região e da própria cidade, são atendidos por um clínico, em condições precárias de trabalho."


Ele explica que, às vezes, o plantão da noite inicia às 19h com pacientes que chegaram no local às 13h e que ainda estavam aguardando atendimento. "E essas pessoas vão cansando de esperar e muitas vão pra casa, como a gente vê nas fichas que ficaram. Pessoas com crise hipertensiva, que não sei como vão se haver de noite, na sua casa, sem ter tido atendimento nenhum."


Prefeitura diz que repassa R$ 182 mil por mêsa hospital


A prefeitura observa que repassa R$ 182 mil por mês à administração do hospital. "Esse valor é suficiente pra contratar mais um profissional pra atender com humanidade a população", diz o secretário da saúde de Santo Ângelo, André Kissel.


Enquanto isso, os pacientes ficam aguardando. A atendente de farmácia, Gabriela Meneghini,  reclama da dor e, principalmente, do descaso. Foram quase 24 horas com o braço fraturado até conseguir atendimento no Hospital de Santo Ângelo."Ontem (terça-feira) eu cheguei aqui às seis e meia e hoje (quarta-feira) estou saindo quase às sete horas. Só tem um médico."


Já a irmã do mecânico Lauri Barichello está com um tumor na cabeça e precisando ser medicada para diminuir a pressão no cérebro. Por isso, ela tem duas opções: voltar para casa com dor ou bater na porta de outra emergência. O problema é que as mais próximas ficam em Santa Rosa ou em Ijuí, ambas no Noroeste do estado, distantes mais de 50 quilômetros de Santo Ângelo. "Minha irmã pode perder a vida hoje à noite por falta de competência", diz o mecânico.


Por nota, a direção do Hospital Santo Ângelo disse que tem uma equipe médica de diferentes especialidades de sobreaviso para ser acionada quando necessário. Informou também que tem a receber um R$ 1,5 milhão do governo do estado, referente a incentivos de outubro, novembro e dezembro do ano passado, que estão atrasados.


A direção do hospital esclareceu que os recursos da prefeitura de Santo Ângelo, bem como dos outros municípios atendidos no hospital, também estão atrasados.

Fonte: G1

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer